Parte 1: Lições da Netflix sobre Protagonismo na Era Digital

Há algumas semanas li "Powerful: Building a Culture of Freedom & Responsibility", escrito pela Patty McCord, que foi a Líder de RH da Netflix por 12 anos, desde a sua criação.


Como o próprio título já entrega, o livro fala bastante sobre a forma com que a Cultura Organizacional da Netflix foi construída.


Mas, uma das coisas que chamaram bastante a minha atenção lendo o livro são algumas lições que podemos tirar da Netflix sobre como organizações podem assumir a posição de Protagonistas no mundo Digital.


Sobre entender mais sobre como criar uma visão de querer estar sempre à frente do seu mercado.

De se antecipar ao que os clientes nem sabem que precisam.

De criar modelos de negócios inovadores.

De desenvolver a capacidade criar mercados e segmentos totalmente novos.


E de CRIAR uma CULTURA que mira o FUTURO do seu negócio.


Como é possível uma organização assumir essa posição de protagonista em uma Era de tantas mudanças? O que faz uma organização conseguir se reinventar e criar mercados totalmente novos?


Pesquei para esse texto 3 elementos importantes nesse processo. Há, pelo menos, mais uns outros 3 ou 4 pontos que acrescentaria à lista (um deles é o foco em Talentos).

Mas o texto, que já está longo, ia virar um livro! :-)


De qualquer forma, é importante a gente ter clareza de que não há fórmulas mágicas.

O que funciona para a Netflix não necessariamente vale para a sua organização.

Não dá para copiar e colar. Isso precisa ser construído de dentro.


Mas, no final das contas, sempre é possível tirar bons aprendizados e insights. E inspirar a desenvolver nossas próprias ideias para preparar nossas organizações para a Era Digital.



1) Visão de Futuro e a busca incessante por estar sempre à frente do seu mercado


É difícil a gente não ficar impressionado com os resultados da Netflix desde a sua criação da empresa por Reed Hastings em 1997 (o cara acima aí na foto): De uma pequena locadora de vídeos, a empresa é hoje a organização mais disruptiva do entretenimento global.