Parte 2: Lições da Netflix sobre Protagonismo na Era Digital

Obssessão pelo Cliente. Foco em Dados. Testes e Experimentação.

Cultura Organizacional. O papel do CEO.


Confira a 2a (e última) parte do post sobre algumas lições da Netflix sobre como organizações podem tornar-se PROTAGONISTAS em seus negócios nesta Era Digital.


Ah! E se você ainda não leu o post anterior com a 1a parte, é só clicar aqui!


Vamos lá?


-- Os meninos da famosa série Stranger Things ---



2) Obssessão pelo Cliente através de Dados e Experimentação


Um outro fator que explica bastante essa capacidade de reinvenção e de protagonismo é o que Nir Eyal, que foi VP da empresa, descreveu em um texto bem bacana no Medium o que ele chama de OBSSESSÃO pelo cliente.


“Customer obsession means a healthy preoccupation with customers’ unanticipated, future needs through a mix of research techniques that put the customer in the center of everything you do, so that you begin to see the product through their eyes.” (Nir Eyal)

Veja: não é só foco no cliente. A palavra é OBSESSÃO pelo cliente.


Daí, ele explica como o foco da Netflix em Ciência e Dados do Cliente fez com que ele aprendesse as diferenças entre o FOCO no CLIENTE e a OBSSESSÃO pelo CLIENTE.


No texto dele, há uma série de exemplos de como tudo isso é feito. Mas, uma coisa que me chamou a atenção é um quadro que compara Customer Focus e Customer Obssession.


Dá uma olhada no quadro abaixo. Perceba que a OBSSESSÃO PELO CLIENTE leva sua área e a sua organização para outro tipo de patamar.