5 Perguntas para Marisa Eboli, Professora da FEA/USP



Quem trabalha com Educação Corporativa, conhece a Marisa Eboli.


A Marisa é Mestre e Doutora em Administração pela FEA/USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo).


Ela especialista em Educação Corporativa e leciona na própria FEA/USP em Programas de MBA e Pós-Graduaação.


Conversamos sobre o Futuro da Educação Corporativa.

E como as novas tecnologias vão impactar as Ações de Treinamento e também o Desenvolvimento de Competências de Profissionais de RH que atuam nessa área.


Confira meu papo com a Marisa!


1. Marisa, o que muda nas Estratégias e Ações de Educação Corporativa com todas as mudanças que estão acontecendo nesta Era Digital?


A essência não muda, que é ter um sistema de formação de pessoas pautado pelas competências estratégicas que devem ser desdobradas em competências individuais, para daí sim serem desenhadas as soluções de aprendizagem.


O que provavelmente acontecerá é que serão ampliados os formatos e meios de se entregar essas soluções. Nesse sentido a Educação Corporativa terá à sua disposição muito mais ferramentas para viabilizar suas soluções de aprendizagem.


Como destaca Prof. José Moran, Educação tem que começar onde o aluno está, e hoje é no mundo digital. E eu concordo!


Frente à transformação digital, a velocidade é relevante e precisa ser observada, porém com cautela e profundidade de repertório, pois tecnologia é um meio, não um fim.


2. E o que muda no perfil dos profissionais que atuam com Treinamento & Desenvolvimento?


Em setembro de 2017 participei do Chief Learning Officer- CLO Insight Summit (NYC) organizado pela Jeanne Meister, da Futureworkplace.


O que mais escutei nas palestras apresentadas foram as palavras: analytcs, artificial intelligence , bigdata , convenience, customization, digital education, digital transformation, gamification , microlearning, MOOCS, omnichannel educational space, personalization, virtual reality etc...


A ponto de se questionar: no futuro ainda será um Chief Learning Officer ou será um Chief Digital Office?


É isso aí, além das competências já conhecidas de um Chief Learning Officer ou Gestor da Educação Corporativa, este profissional vai ter que estar muito familiarizado com as novas tecnologias trazidas pela Revolução Industrial 4.0.


3. Quais as principais habilidades que você vê que as organizações tem buscado desenvolver internamente?


Eu falaria mais em termos de compet