Não são as respostas que movem o mundo, são as perguntas!



Quem não gosta de respostas? A gente cresceu aprendendo que, para avançar na vida, a gente tinha sempre que saber as respostas.


Lembra daquela sensação de responder a uma pergunta que só você sabia?


Daquela nota 10 na escola, daquela reunião de trabalho em que só você sabia aquela informação, aquele dado. Respostas serão sempre importantes. Em especial, para problemas e desafios que ainda não temos as soluções.


O problema é que boa parte das "respostas" que nos acostumamos a dar se referem a problemas conhecidos. Desafios já explorados. Conhecimentos que estão, em sua maioria, disponíveis em 2 segundos aí no seu celular.


Respostas desse tipo vêm se tornando commodities.

Qualquer um tem acesso. De forma rápida e em múltiplos formatos.


Ter as respostas certas continua sendo valorizado.

Na escola, na faculdade, nas empresas... MAS...


O problema é que estamos no meio de uma era de mudanças. E no meio de toda essa incerteza com velocidade exponencial o que MENOS vamos encontrar são respostas claras e absolutas para os desafios que teremos pela frente.


Não vai dar pra dar um Google para saber as soluções para os desafios de um mundo incerto, complexo, ambíguo e totalmente imprevisível.


Nao vamos conseguir dar as respostas de forma tão fácil para os desafios, interrelações e possibilidades que as novas tecnologias vão nos proporcionar.


Imagine tudo que já esta surgindo nas areas de Inteligência Artificial, Blockchain, Assistentes Virtuais, Chatbots, Realidade Aumentada, Robôs, Internet das Coisas, Realidade Virtual, Big Data...


E tudo isso conectando-se entre si e gerando impactos gigantescos nos negócios, na criação de novos produtos e soluçoes, nas Organizações, na Economia, na Sociedade, na forma como trabalhamos, na forma como aprendemos, nos formatos de trabalho...


Para encontrar as respostas e soluções para esses desafios, a gente vai precisar aprender a fazer algo a qual não fomos ensinados.


Ao invés das RESPOSTAS já estabelecidas, provadas e inquestionáveis, vamos precisar fazer as PERGUNTAS certas.


Vamos precisar trocar o velho caminho das respostas certas e absolutas por um mundo de possibilidades e oportunidades. O mundo das perguntas.


Sairão na frente aqueles que já estão fazendo as perguntas que ninguém ainda pensou.


E isso vai demandar uma mudança em nosso modelo mental. Precisaremos reaprender a ser exploradores de possibilidades, descobridores de oportunidades.