Gestão de Talentos para a nova Era Digital

A Transformação Digital já está gerando algumas revoluções no mundo do trabalho e nas relações dos profissionais com as empresas.


Entender essas novas dinâmicas das relações de tabalho, será muito estratégico para qualquer negócio nos próximos anos.



Há alguns dias, o Fernando Garcia, da Talengy, postou no LinkedIn uma questão/provocação bem bacana.


Ele trouxe uma imagem (veja acima em detalhes) a respeito do tempo em que os funcionários de grandes empresas de tecnologia permanecem nessas empresas.


Vc vai perceber que, na média, eles ficam por POUCO TEMPO.


E aí, veio a provocação dele:


PORQUE ISSO ACONTECE? Porque essas empresas têm desafios na retenção desses funcionários?

Segue abaixo um pouco da MINHA VISÃO sobre o assunto:


Há várias razões para isso acontecer (às vezes uma, às vezes a combinação de 2 ou 3):


1) Pensamento Empreendedor: São profissionais de altíssimo gabarito que entram nestas empresas muitas vezes para aprender um pouco mais da dinâmica de uma grande corporação. No final das contas, o que ele/a quer mesmo é criar sua própria start-up.


2) Desafios Constantes: A galera que atua nestas empresas é movida a grandes desafios - e de preferência constantes.


De um lado, a maior parte dessas empresas são gigantes. Algumas com processos muito bem estabelecidos.


De outro, há novas empresas pipocando a todo instante no Vale do Silício e na California - exatamente com desafios grandes e constantes.


A combinaçao destes 2 elementos é explosiva.


3) Estamos vivendo uma era mais líquida, mais fluida, com relações mais efêmeras.


Ao contrário do que acontecia há 10, 20, 30 anos, o fato de uma pessoa ter saído de uma empresa com menos de 1 ou 2 anos é tratado como algo mais natural - pelo menos nas empresas de tecnologia nos EUA.


Há uma linha de atuação em diversas areas nessas empresas mais focadas em projetos de curta/media duraçao.


Por isso, nada impede que fique um tempo fora e depois retorne em algum tipo de formato... funcionário, consultor, ou por meio de uma parceria por conta da start-up que esse mesmo funcionário que saiu criou.


As relações acabam indo muito além do emprego tradicional como conhecemos aqui no Brasil...


Todo mundo acaba atuando no mesmo ecossistema.


4) CULTURA e PROPÓSITO contam MUITO




**


Quanto à "retenção"...


O ponto é que há tb um outro modelo mental com relação à "retenção".


Esta relação depende muito do quão estratégico é aquele talento.


Em um nível mega blaster estratégico, o cara é sócio do negócio. Então, ele está MUITO comprometido com uma Jornada de longo prazo.


Isso ocorre tb, em menor escala, em alguns profissionais mais seniores de altíssimo potencial.


Em ambos os casos, como já aconteceu n vezes, acabam saindo milionários e passam a atuar como investidores-anjo ou partem para criar sua start-up...


Na maioria dos demais casos, os 4 casos anteriores acabam prevalecendo - em jornadas de mais curto prazo.


Tudo isso de uma forma geral.


Tudo isso varia de país para país. Há muitos fatores culturais envolvidos aí tb...


Bom, o assunto é fascinante, né?


O mundo está mudando muito rapidamente. É preciso entender essa novas dinâmicas das relações profissionais. Isso é muito estratégico para qq negócio nos próximos anos.


Deixe aí seus comentários e impressões sobre o assunto!


Grande Abraço e até a próxima! :-)


***********

Se você desejar compartilhar esse post no LinkedIn, siga os passos abaixo:


1. Copie esse link: https://www.futurosa.com.br/blog/gestao-de-talentos-para-a-nova-era-digital

2. Cole o link diretamente no espaço para compartilhar um post.

3. Você pode, se desejar, escreva algum comentário na sua publicação.

4. Daí, é só clicar em "post" ou "enviar".


Obs: Essa é uma situação temporária - enquanto o link para o LinkedIn aqui do blog é ajustado.


FALE CONOSCO

Todos os direitos reservados © 2019-2020

FUTURO S/A

  • LinkedIn Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon